Rio GREVE do Norte

0 comentários quarta-feira, 25 de maio de 2011 às 07:50 - Edit entry?
Olá amigos do sinergiia...

Já deve ser do conhecimento de vocês, uma vez que essa avalanche de greves que está acontecendo por aqui está sendo comentada em nível nacional.
Hoje nós podemos dizer que praticamente todos os serviços públicos estão em greve: professores estaduais, motoristas e cobradores de ônibus, policia civil, DETRAN, entre tantas outras categorias, lógico, dentro do direito deles, uma vez que as condições mínimas de trabalho não são oferecidas. A cidade está um caos, mas isso não é de hoje e nem  por causa das greves. Esta situação vem se construindo há muito tempo e é chamada por alguns amigos meus de "efeito borboleta".

Quero apresentar a nossa querida @prefeitamimi uma hierarquia diferente da que ela conheçe: 
a hierarquia das necessidades.
Essa hierarquia, criado por Maslow, mostra as necessidades das pessoas. Observem que a base da pirâmide são as necessidades fisiológicas (salário, lugar onde morar, alimento...) não por serem menos importante mas porque quando essas necessidades são abaladas nenhuma outra tem relevância alguma. Foi o que aconteceu com a maioria dos servidores públicos estaduais e municipais: os baixos salários, foram desmotivando os trabalhadores que resolveram exercer o seu direito de greve para reivindicar contra as injustiças salariais.




A população de Natal, está organizando uma mobilização:
O que? Rio GREVE do Norte
Quando? quarta, 25/05 (hoje)
Onde? No cruzamento do Midway Mall
Horário? às 19 horas, mas o  inicio da concentração será as 18 horas



Até mais

Desconstruindo Amélias

1 comentários domingo, 22 de maio de 2011 às 10:35 - Edit entry?
Olá amigos do sinergiia
Antes de entrar no assunto do post de hoje, quero me desculpar pela falta de posts nos últimos tempos. O motivo foi um evento de integração que acontece na nossa escola (IFRN/ZN) que envolve todos os cursos em  competições esportivas, culturais e artisticas. Como o evento acontecia durante o dia inteiro, nenhum dos membros do sinergiia conseguiu publicar posts. Mas agora tudo volta ao normal, seguindo a sequencia que estava prevista.

Agora vamos para o assunto do Post. As mulheres através da história conquistaram muitos direitos, como o direito ao voto, ao trabalho fora de casa, ao salário justo... Pensando nisso, o meu curso, comércio, desenvolveu um tema para a abertura da SEMADEC (aquele evento que eu havia citado antes) chamado DESCONTRUINDO ÁMELIAS. Para mostrar toda história de luta e no que a mulher se transformou. Será que realmente todas essas mudanças só trouxeram benefícios para as mulheres? 
Postarei aqui para vocês o vídeo inicial do nosso tema que discute esses pontos.


Antes de acabar este post quero parabenizar todos os cursos pelo esforço para fazer a SEMADEC o que foi, especialmente, Informatica, manutenção, o campeão eletro, mas especialmente aos guerreiros de #comércio que apesar dos poucos recursos começou a atingir seu objetivo.

Até o próximo post

Mercadologo X Marketeiro

1 comentários domingo, 8 de maio de 2011 às 19:16 - Edit entry?
EXISTE ALGUMA DIFERENÇA ENTRE MARKETEIRO E MERCADÓLOGO?


É fato, existe sim diferenças entre o Mercadólogo e o marketeiro.

O mercadologo é o profissonal formado em  Marketing, a pessoa que de fato exerce as atividades relacionadas com o setor de marketing dentro da empresa, que auxilia na gestão da empresa no que se trata de planejar definir as estratégias de mercado, Além disso, uma de suas atribuições é gerir o departamento de vendas, comunicação, verificar e encaminhar as demandas às agencias de publicidade (como já foi discutido aqui uma vez, marketing não é propaganda, o profissional que desenvolve as propagandas e o que estuda o mercado, são profissionais diferentes, do mesmo modo que existem os cursos separadamente de marketing e de publicidade e propaganda, também são diferentes os profissionais que exercem essas funções)

Já o "marketeiro" é aquele profissional normalmente não formado, que trabalha normalmente com campanha politica. 

Se uma empresa faz algo interessante, os consumidores proclamam: É marketing! E, nas entrelinhas, percebo que o sentido é pejorativo. Escutei o desabafo de um eleitor desiludido: “Os políticos só fazem marketing!”. Ouço nas ruas as pessoas afirmarem, categoricamente: “Isso é marketing!”. Porém, isso é enganar, esconder, mascarar, etc. Tudo que é ruim virou marketing! Já li algumas críticas embasadas, de especialistas, sobre este fato. http://professorailkacarrera.blogspot.com/2010/04/mercadologo-x-marketeito.html

Porém, alguns autores, como, por exemplo, Kotler, já aceitam como "normal" a utilização do termo "marketeiro" para o administrador graduado em marketing.

Até Mais... Feliz dia do mercadologo!

Feliz Dia das Mães

0 comentários às 12:42 - Edit entry?
Parabéns a todas as mamães!! E você que é filho, diga: "Eu Te Amo Mãe!!" =D



#felizdiadasmaes

Se ninguem vai... Eu também não vou!

0 comentários quinta-feira, 5 de maio de 2011 às 22:33 - Edit entry?
Em uma convenção de fabricantes de cervejas brasileiras, reunindo os maiores produtores do país, estavam presentes os presidentes da Brahma, Skol, Kaiser, Antartica, Schin, etc. Ao término do simpósio todos se reuniram no restaurante para uma "confraternização"'. 
Muito esperto, ao perceber a aproximação do garçom, o presidente da Schin pediu em alto e bom som:
- Garçom, traz um CERVEJÃO, por favor! Isso sim é que é bebida! 

Todos se olharam espantados, enquanto ele contemplava sua cerveja, certo de que se saíra bem. 

Não querendo deixar por menos, o presidente da Skol sentenciou: 
- Amigo! Traga uma REDONDA

Novamente todos se olharam espantados e ele ficou achando que deu a resposta merecida!
Na mesma moeda, o presidente da Kaiser bate na mesa e grita: - Me vê a do BAIXINHO! Esse sabe das coisas... 

E assim, seguiram os presidentes das cervejarias, cada um pedindo a sua maneira, até que chegou a vez do presidente da BRAHMA
- Garçom! Uma coca-cola, por favor! 

Todos se olharam abismados, achando que ele perdera uma boa oportunidade de responder a altura. 
O garçom curioso, aproxima-se e pergunta: 
- O senhor tem certeza? 
Ele respondeu: 
- Tenho! Se ninguém vai beber cerveja, eu também não vou!!!!!!!!


Principios da administração - Parte VI

2 comentários segunda-feira, 2 de maio de 2011 às 14:12 - Edit entry?

Hoje iremos comentar sobre a teoria que junto com a teoria da administração cientifica forma a abordagem clássica da administração: A Teoria Clássica.
Ao mesmo tempo que Taylor desenvolvia a administração cientifica nos EUA, um engenheiro de minas chamado Henri Fayol desenvolvia a teoria Clássica na França. Esta teoria se caracteriza pela ênfase na estrutura e pela visão do homem econômico (mesma visão de Taylor), que diz que o homem é vadio, negligente e preguiçoso. É obra de Fayol a divisão de toda e qualquer empresa em seis partes:
→ Funções Técnicas, relacionada a produção de bens ou serviços
→ Funções Comerciais, relacionada a compra, venda e troca
→ Funções Financeiras, relacionada ao gerenciamento e procura de capital
→ Funções de segurança. Relacionada a proteção de bens
→Funções contábeis, relacionada com registro, custos, balanços...
→ Funções administrativas, relacionadas com a administração das outras cinco funções, sendo esta presente em todas e pairando sobre elas.

É deste pensador também o inicio da organização do conceito de administração, implementando os conceitos   prever, coordenar, organizar, comandar e controlar que mais tarde viriam a ser: Planejar, Organizar, dirigir e controlar.

A Administração não é senão uma das seis funções, cujo ritmo é assegurado pela direção. Mas ocupa tamanho lugar nas funções dos altos chefes que, as vezes, pode parecer que as funções administrativas estejam concentradas exclusivamente no topo da organização, o que não é verdade.

Não há duvida quando se fala da maior contribuição da teoria para a administração, certamente os 14 princípios da administração ocuparam  a posição:

1.     Divisão do trabalho: consiste na especialização das tarefas e das pessoas para aumentar a eficiência.
2.     Autoridade e responsabilidade: autoridade é o direito de dar ordens e o poder de esperar obediência, responsabilidade é um a consequência natural da autoridade. Ambos devem estar equilibradas entre si.
3.     Disciplina: depende da obediência, aplicação, energia, comportamento e respeito aos acordos estabelecidos.
4.     Unidade de comando: cada empregado deve receber ordens de apenas um superior. É o princípio da autoridade única.
5.     Unidade de direção: uma cabeça é um plano para cada grupo de atividades que tenham o mesmo objetivo.
6.     Subordinação de interesses individuais aos interesses gerais: os interesses gerais devem sobrepor-se aos interesses particulares.
7.     Remuneração do pessoal: deve haver justa e garantida satisfação para os empregados e para a organização em termos de retribuição.
8.     Centralização: refere-se a concentração da autoridade no topo da hierarquia da organização.
9.     Cadeia escalar: é a linha de autoridade que vai do escalão mais alto ao mais baixo. É o princípio de comando.
10.  Ordem: um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar. É a ordem material e humana.
11.  Equidade: amabilidade e justiça para alcançar a lealdade do pessoal.
12.  Estabilidade e duração (num cargo) do pessoal: a rotação tem um impacto negativo sobre a eficiência da organização. Quanto mais tempo uma pessoa permanecer num cargo tanto melhor.
13. iniciativa: a capacidade de visualizar um plano e assegurar seu sucesso.
      14.  Espírito de equipe: harmonia e união entre as pessoas são grandes forças para a organização. 

A teoria Clássica concebe a organização em termos de estrutura, forma e disposição das partes que a constituem, além do inter-relacionamento entre as partes. Restringe-se apenas apenas aos aspectos da organização formal.

Podemos resumir a teoria da seguinte maneira:
A Teoria Clássica se caracterizava pela ênfase na estrutura que a organização deveria possuir para ser eficiente. Partia da organização e da estrutura como um todo, para garantir a eficiência de todas as partes envolvidas, fossem elas departamentos, seções ou pessoas como executores de tarefas e ocupantes de cargos .
A análise das tarefas de cada indivíduo cedeu lugar a uma visão global e universal da organização. A qual partia da estruturação de toda organização e chegava finalmente ao indivíduo.
Henri Fayol o criador da Teoria Clássica, dividiu as funções da empresa e criou os princípios gerais da administração, que são as bases da administração como ciência, estes princípios são úteis para estruturar qualquer organização seja qual for seu ramo de atividade e seu tamanho.


Direito Comercial no Brasil

0 comentários domingo, 1 de maio de 2011 às 23:42 - Edit entry?
Bem amigos do sinergiia \o/\o/\o/

Aproveitando o assunto de uma das provas de amanhã para a minha turma (3° ano de comércio) vamos discorrer hoje sobre o direito comercial no Brasil.

Sobre a origem do direito
O direito comercial tem sua origem na Idade Media com maior intensidade por causa das feiras mercantis que ocorriam nos feudos, mas existem registros muito mais antigos, como o código de Hammurabi, que é considerado o primeiro código com leis para o direito comercial.

Como foi o histórico no Brasil?
Antes da chegada dos portugueses em nosso território, os índios transmitiam suas regras através dos costumes que eram transmitidos oralmente e passavam entre as gerações. A partir do "descobrimento" do Brasil, o país passou a ter dois modos de transmissão das suas leis:
►No litoral (local de exploração dos portugueses),  a lei era legislada, acontecia através de ordenações que vinham de Portugal;
►No interior do Brasil (os Portugueses ainda não haviam descobertos riquezas nesses locais e os mesmos não eram do seu interesse) as leis continuavam a ser transmitidas através dos costumes.
Essa realidade se estendeu até o ano de 1808, ano da chegada da familia Real no Brasil, esse fato causou a unificação no modo de transmissão das leis e influenciou (pra não dizer que foi a unica causa) na criação da Primeira lei comércial em território brasileiro, A Lei dos Portos (já que até então, o Brasil era proibido de fazer comércio com qualquer outro país, podendo "vender" apenas para Portugal)
Somente em 1850 houve a criação do 1° código comercial, inspirado no código Francês. Em 2002, com o novo Código Civil (CC/2002) houve a incorporação do código comercial no código civil.